Maria Ivone Vairinho e Poetas Amigos

Setembro 11 2009

 

Mulher nua
polpa de romã
que vem qual Lua
e me afaga no corpo da manhã...

 

Dourada estrela
que os meus sonhos ilumina
e é como vela
a marear pela campina...

 

Ou nessa roça
suave rapariga
que é qual verde, verde moça
- nos lábios da terra, no louro da espiga..

 

Alfim Mãe que na dádiva de leite
rasga o peito em sépalas fulgindo
e no imo da Noite à luz do azeite
é qual néctar verde folha
- marinha que nos molha
num barco lindo, lindo......

 

Quisera, mulher-Mãe
(ah! como quisera!)
que tu fosses reaver
em Belém
a perpétua Primavera.

 

Mas ora que os teus dias
se aproximam do fim
e no meigo tetracordo
a Vénus te abandona
Recordo, sim, recordo
uma dália, um jardim
o Messias cantando
no colo da Madona

 

Paulo Brito e Abreu
(in “Loas à Lua”)

 

publicado por appoetas às 20:08

Setembro 11 2009

Como são belos os poemas
em honra da Mulher
(com maiúscula respeitosa)!...

 

Figura estereotipada, obsessão da consciência masculina,

invariavelmente esculpida através das eras,

sedimentada abstracção eterna!
Figura enobrecida com tantas qualidades, venerada no

altar onde celebra as primícias duma entrega que se

presume voluntária, e onde jura aceitar a reclusão, ainda

que em regime mais aberto,
ao contrário de regras e costumes!...

 

Madona do Renascimento, adornada com ricos atavios que

embelezam seu corpo imaculado;
Musa inspiradora de poetas, de pintores e também

de outros artistas;
Modelo rendida aos caprichos do seu Mestre, alimento

 do corpo,
lenitivo do espírito!

 

Rainha inacessível, envergando uma túnica diáfana de

Sonho, flamejante, esvoaçante, que aviventa a imaginação

e o idealismo que supera os rigores da invernia duma vida

sem afectos!
Deusa-mãe, deusa-terra, fonte de toda a criação, sagrada

pela sua dádiva,
mas mesmo assim um objecto,
ainda que o mais valioso e o mais raro
da colecção a que pertence!

 

Por contraste, sedutora, prostituta, rameira sem algum

prestígio
marafona de rosto deslavado e olheiras mui profundas,

situada no último degrau, o mais ínfimo de todos, abaixo

de homicidas e tiranos;
activista dos direitos das mulheres, com seu cortejo de

protestos, empunhando ridículas bandeiras;
rival em demanda de um estatuto igual ao do parceiro

masculino,
risível sequaz das Précieuses Ridicules!...

 

Nem devia pertencer à nossa espécie humana, pois não

tem atributos de Madona, nem de Deusa, nem de Musa;

não dá forma às estátuas que se adoram, não é Vénus,

nem Diana, nem Justiça ou Liberdade;
não dá seiva ao narcisismo de quem pega num espelho,

deslumbrado, a fim de contemplar o génio que produz os

poemas brilhantes, coloridos,
mas imensamente fúteis,
e compostos em honra da Mulher
(com maiúscula respeitosa)!...

 

Deusa, Santa, Senhora virtuosa,
Virgem pura;
Musa,
fonte inexaurível de poetas e de artistas; Julieta,

Inês ou Heloísa, Isolda ou Beatriz, essas e tantas outras

que a História consagrou mulheres-amantes;
Eva, transgressora das Ordens do Altíssimo;
Madalena, suposta prostituta arrependida, para abrandar

temores e atenuar a culpa masculina;
George Sand e Virgínia Woolf, de duvidoso sexo ou

preferência sexual ambígua;
todas vós desfilastes livremente através dos séculos,
e tantas vezes desmentindo
esses mitos ancestrais!

 

Mas como são belos os poemas
em honra da Mulher
(com maiúscula respeitosa)!...


 Isabel Gouveia

 (in “ESCUTA O CORAÇÃO DO MUNDO”)


 

publicado por appoetas às 19:58

Setembro 11 2009

MULHER

 

Mulher, que és berço da Humanidade
Trazendo no teu ventre cada ser
Que pela tua força há-de nascer
Num momento de rara felicidade

 

Mulher, que tens os filhos e os crias
A eles dando o grande amor que tens
Que são na tua vida enormes bens
Com quem repartes mimos e alegrias

 

Mulher, que a fome escondes para dar
Muitas vezes a quem tu amas tanto
Que o fazes na ternura, no encanto
Que ninguém como tu sabe mostrar

 

Mulher, que já esgotada na canseira
Dum dia que foi duro... e que no lar
Hás-de inda prosseguir a trabalhar
Às vezes sem dormir a noite inteira

 

Mulher, que tão depressa homem te ama
Como logo a seguir te martiriza
Mas que te trata bem quando precisa
Que amor faças com ele em vossa cama

 

Que sofres quando o filho que pariste
E que puseste com amor na Terra
Vês partir para longe, para a guerra
Que nem sabes sequer porque é que existe

 

Que um dia alguém te põe alto num trono
Feliz por exibir tua beleza
Que depois sem ter ponta de tristeza
Te deixa pela rua ao abandono


Que sofres tanta vez a amargura
De saber o que é a solidão
Que deste tanta vez teu coração
E agora estando só ninguém procura

 

Mulher, quero deixar-te o meu apreço
Render-me às qualidades que proclamo
Não sei se tudo já de ti conheço
Mas sei que te respeito e que te amo.


 Joaquim Sustelo
 (em NO SILÊNCIO DO TEMPO)

publicado por appoetas às 19:45

Setembro 11 2009

BENDITA SEJAS
 
Enquanto a noite chega de mansinho
e dá um rubro tom ao horizonte,
eu olho com ternura e com carinho
        a tua terna fronte.
 
Fronte que um dia eu pensei beijar,
enquanto agradecia aos altos Céus
ter-me dado a graça de adorar
        uns olhos como os teus.
 
Teus olhos têm uma paz  tão santa,
que me sinto elevado ao Paraíso...
Mas no teu rosto, algo mais me encanta:
        o teu doce sorriso.
 
Sorriso tão suave e carinhoso
que,, ao vê-lo, a minha alma se inebria.
Nele revejo o céu tão luminoso,
        daquele fim de dia.
 
Dia feliz que em vão tentei deter,
na sua louca e cruel caminhada...
Procurei, assim, junto de mim reter,
        tua presença amada.
 
Presença que eu procuro em cada dia
sempre a meu lado, ter a palpitar.
Tu és a Estrela d'Alva que alumia
        o meu triste penar.
 
Triste penar duma alma carinhosa
que busca em vão, um pouco de carinho,
para quem a vida não foi caridosa
        em todo o meu caminho.
 
Caminho sem Esperança e sem Amor,
não sei porquê, tão cheio de amarguras...
Terei nascido para viver na dor,
        entre cruéis torturas?
 
Torturas que marcaram na minha alma,
crueis estigmas, fruto de tormentos...
Mas tua graça tem o dom que acalma,
        a dor e os sofrimentos.
 
Sofrimentos dum ser amargurado,
a quem tu deste um pouco de afeição.
Bendita sejas pois, sonho encantado,
        bendita aparição.
 
Que Deus te ajude e guie, nesta hora,
agora e sempre, pela vida fora.


 Carlos Teles Gomes

 

publicado por appoetas às 19:33

Setembro 11 2009

 

AQUI
Não terás frio
Nem a tua alma afundará
Insatisfeita…num vazio

 

AQUI
Não sofrerás!
Num toque de magia,
Prazer e alegria
Tu tens
No dobro do que dás!

 

AQUI
Não sentirás
Frustração nem saudade,
Te queremos como és:
- Rosto sem cor,
Dono e Senhor
Só da tua Verdade!

 

AQUI
Ao Sol da nossa Paz
A tua esperança aquece
Na Amizade que se faz
Sem lógica ou razão,
Só porque a EMOÇÃO
Acontece!

 

Deixa p’ra lá
O ONTEM que passou e já não há…
Ama e abraça o HOJE,
Tem fé no AMANHÃ
Que DEUS dará!

 

Vem até cá
Pôr a juros de Vida
CADA DIA!

Traz ALGUÉM contigo
E vem AMIGO
Investir um SONHO
No REINO DA POESIA!

 

ADA TAVARES

publicado por appoetas às 19:26

Setembro 11 2009

Ir mais além do horizonte

É ir ao encontro de Deus

Receber dos infindos Céus

A Espiritualidade na Fonte!

 

É reconhecer que o instinto

Vem do Espírito que há Nele

A arte pura que não minto

É a Jóia da Coroação Dele!

 

Ir ao encontro do Criador…

O Fluxo de Energia Consciente

É amá-Lo na pureza do Seu Amor

Que flui nas Almas da Sua Gente!

 

Rui Pais

27/01/2009

 

publicado por appoetas às 18:42
Tags:

Setembro 11 2009

Assim como por hábito vamos celebrando

O final de Dezembro com o ano a fechar

Esse tempo ido junta-se ao passado

O novo espreita e quer desabrochar.

 

Na transição de Dezembro em 2012

Encerra-se o ciclo do homem impuro

Para um acordar em Janeiro de 2013

Duma família num sentir mais seguro.

 

Ao referir-me ao evento sinto na pele

O submergir do materialismo e com ele

O mundo a derrocar com todo aquele

Que nessa data não se desapegou dele.

 

Em 2013 o Tempo é arte na nova ciência

Num calendário que abraça a Espiritualidade.

2013 Traz a elevação do ser na consciência

Numa Paz consolidada para a nova realidade!

 

Rui Pais

05/02/2009

 

publicado por appoetas às 18:41
Tags:

Setembro 11 2009

Eu fui um contemplador indescritível

Do fascínio das densas florestas tropicais

Da flora, da fauna, das aves celestiais.

 

Quando eu vivi nesse mundo terreno

O homem apesar da sua inteligência

Agia como predador sem coerência.

 

Vasculhei a biblioteca do passado

Sobre o seu apogeu e decadência

E entendi como acabou soterrado.

 

Recordei a Atlântida submergida

Senti uma repetição na sua história

Afundando-se a raça Ária na vanglória.

 

Ao rever-me nesse solo como habitante

Pensando que poderia ajudar a nova civilização

Escrevi: Da Pureza dos Ciclos à sua Degradação!

 

Rui Pais

06/02/2009

 

publicado por appoetas às 18:39
Tags:

Setembro 11 2009

 

O meu Deus amado é o Criador Perfeito

Das alturas zela pelo nosso bem-estar

É Ele que venero com todo o respeito

Sua casa nos Céus é nosso doce Lar.

 

O Senhor dos Três Actos da Criação

É a Raiz e Tronco da Vida Espiritual

Desce à Terra e observa a agitação

Repõe sua ordem no estado original.

 

Deus: Coloquei-os nesta Terra puros

Em cada um plantei um Idílico Jardim

Agora venho buscá-los sujos em apuros

Vexaram o chão e esqueceram-se de Mim.

 

Eu Sou o Espírito da Luz, o Pai do Drama

No primeiro meio Ciclo há uma época áurea

Venho no fecho do Drama, purifico cada alma

Dos vícios do final do Ciclo obtidos na matéria!

 

Rui Pais

10/02/2009

 

publicado por appoetas às 18:38
Tags:

Setembro 11 2009

 

Se eu fosse Deus o Senhor da Verdade

No sereno silêncio recorria à meditação

Eu a Alma Suprema como Espírito de Luz

Sou o alento deste Universo em rotação

Acima dum Sol doirado que vos conduz!

 

Se eu tivesse o saber do Senhor Deus

Ninguém faria o percurso para a guerra

Eu difundiria pelo planeta a eterna Paz

Desde sua base ao mais alto da serra

Eu Seria o Único Criador, o Capataz!

 

Se eu fosse o Eterno Deus da Luz

Plantaria em todas as almas o amor

Com aquela pureza que há nas rosas

Num Paraíso único à vista do Criador

Vocês seriam os Anjos em suas asas!

 

Se eu realmente fosse o Deus Vero

Abria ao mundo Meu Reino do Espírito

Limpava os Filhos dos males da matéria

Purificando todas as almas num único rito

Para o despontar duma Nova Vida Etérea!

 

Rui Pais

21/02/2009

publicado por appoetas às 18:34
Tags:

Setembro 11 2009

 

 
Eu nesta integridade à vista
Um dia deixarão de me ver
Partirei num filme a rever!
 
Meu corpo físico na matéria
É propriedade desta Terra
A minha parte menos séria!
 
Já a componente Espiritual…
Centelha pura da Chama Divina
Levo-a integra nesta alma eterna!
 
Rui Pais
13/01/2009
 

Fiz um acordo com o Tempo: Ele vai-nos enviando o Futuro em fracções de um dia a cada manhã… Nós entregamos ao Passado o dia de Hoje amanhã… Quando despertarmos ele passou a Ontem… Assim mantemos um “Presente Contínuo e Eterno” sem interferirmos com outras dimensões, e sem ofendemos a Deus, o Senhor do Tempo. Rui Pais
 

 

 
publicado por appoetas às 18:29
Tags:

Setembro 11 2009

 

Quando Deus criou o mundo,
Foi tudo feito em um segundo.
Coordenou as etapas da vida
E a humanidade ficou precavida !
 
Os homens então precavidos,
Sabem que com isso ficaram sabidos.
E as etapas foram entronizadas
E na vida encetaram a caminhada !
 
Do nascimento até os quarenta anos,
A vida cheia de imensos desenganos.
Uma verdadeira maravilha acontece
E tudo que fazem o gosto os apetece !
 
Possuem várias centenas de namoradas,
Muitas vezes com muitas alternadas.
Carros mirabolantes e motos brilhantes
Casas e apartamentos muito aconchegantes !
 
Até aos 40 anos é a idade da “Maravilha”,
Dos 40 aos 50 anos a idade do “Burro”.
Trabalham sempre muito obcecados 
Para que os seus não sejam escravos !
 
Pagam prestações imensas e continuadas,
Das escolas e as prestações de suas casas.
Do amanhecer até o último instante da noite
Verdadeiros “Burros de carga” como um açoite “
  
Dos 50 até o 60 anos, a idade do “ Cão”,
Que até parece que é boa ilusão.
E ficam tomando conta das casas
E os filhos vão a passeio nas enseadas !
 
Dos 60 em diante, a idade do “ Macaco”,
È a idade que leva a turma pro buraco.
Ficam fazendo “micagens” pros rebentos
Mas, continuam a pensar que estão atentos !
 
Se não tiverem uma casa pra morar,
Ficam de casa em casa pra ficar.
Andam de galho em galho pulando
Como “ Macacos”nas arvores se espalhando!
 
Deus por certo assim o quis,
E o homem acha que é feliz .
Mas,é que muito homem se escapou
E logo pro inferno se mandou ! ! !
 
 
ADRIANO AUGUSTO DA COSTA FILHO
 
Casa do Poeta de São Paulo
Movimento Poético Nacional
Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores
Academia Virtual Poética do Brasil
Academia Poços-Caldense de Letras- M.G.
Ordem Nacional dos Escritores do Brasil
Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa/Portugal
publicado por appoetas às 17:55

Setembro 11 2009

 

Desde os tempos imemoriais, 
Os homens se acham os tais.
E a verdade amarga e dura
Acaba sempre na sepultura  !
 
Do seio materno à idade adulta,
Toda mentira fica logo sepulta. 
A palavreada para eles ufana
Não são de verdade, só de engano!
 
Só tem fingimento e só há traição,
Enganam a mulher no seu coração.
São feras latentes de olhos fogosos
 Lábios afiados e dentes sanguinosos !
 
Mostram a paixão e por dentro são feras,
 Mas, isso já vem de imorredouras eras.
Deixando amores morrerem de pranto
Julgando seus atos atitudes de Santo !
 
Os rostos mostram beleza e candura,        
Ai a verdade aparece mais dura.
São feras latentes sempre teimosos
E palavras terríveis em tons pavorosos!
 
A mentira lhes vem logo ao falar,
E enganam a mulher com seu olhar.
Acabando o fervor e a singeleza
Sepultando para sempre toda gentileza !
 
Quando querem acabar com um amor,
Mostram seus dotes sem nenhum pudor.
O coração que antes era brilhante
Mostram a raiva e ódio no seu semblante !!!
 
 
ADRIANO AUGUSTO DA COSTA FILHO
 
Casa do Poeta de São Paulo
Movimento Poético Nacional
Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores
Academia Virtual Poética do Brasil
Academia Poços-Caldense de Letras- M.G.
Ordem Nacional dos Escritores do Brasil
Associação Portuguesa de Poetas/Lisboa/Portugal

publicado por appoetas às 15:45

Setembro 11 2009
Olá amigos de todo o mundo
 
TERROR EM NOVA IORQUE
é apenas um fragmento das memórias da terrível tragédia do onze de Setembro
que abalou o mundo e mudou  os comportamentos das sociedades .
Veja e ouça aqui neste link como o poeta descreveu esta tragédia:
 
http://www.euclidescavaco.com/Poemas_Ilustrados/Terror_em_Nova_Iorque/index.htm
 
Desejos dum excelente fim de semana.
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
publicado por appoetas às 15:41

Setembro 11 2009
Olá ilustres E MUI ESPECIAIS amigos
 
DOCAS DE LISBOA 
é o poema declamado que marca hoje o nosso ponto de encontro virtual.
entre por aqui:     www.ecosdapoesia.com
e abra a porta do poema da semana apenas com um clique.
 
Aqui deixo também desejos antecipados dum excelente fim de semana.
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
publicado por appoetas às 15:40

Setembro 11 2009
Olá distintos amigos
 
RAÍZES é o tema  que o nosso amigo J. Pimentel  embeleza com a sua
melodiosa voz o qual poderão ouvir em poema da semana ou aqui neste link:
 
http://www.euclidescavaco.com/Fados_E_Musicas/Raizes/index.htm
 
Cordiais saudações
Euclides Cavaco
cavaco@sympatico.ca
 
Venha tomar comigo um cálice de poesia...
Entre por aqui na minha sala de visitas:
www.ecosdapoesia.com
 
publicado por appoetas às 15:38

Setembro 11 2009

 

publicado por appoetas às 03:17

Setembro 11 2009
A
U.L.T.I. - Universidade de Lisboa Para a Terceira Idade
e o autor
João Coelho dos Santos convidam-no/a e aos seus familiares e amigos para o lançamento do livro
 
ENCANTOS DA IDADE MAIOR - II
(preço do livro: 5 euros).
 
A cerimónia será presidida pela Exma Senhora
Drª Emília de Noronha, Presidente da ULTI,
que prefaciou.
 
A obra é a publicação dum conjunto de testes dos alunos da disciplina A Arte de Agradar, com apreciação individual do autor, que lecciona a disciplina.
 
Local - em Lisboa, no salão de espectáculos da U.L.T.I. e da Igreja de S. Domingos de Benfica - Furnas (Metro: Jardim Zoológico);
 
dia - 1 de Outubro de 2009 (Dia Mundial do Idoso),
a partir das 15 horas integrado na festa de abertura do ano lectivo de 2009 / 2010.
 
Confirmações e encomendas (edição de 200 ex): joaocoelhosan@netcabo.pt
 
                      tel. 917 43 42 49
publicado por appoetas às 02:51

Este blogue está aberto aos co-autores e Poetas Amigos de Maria Ivone Vairinho
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

15
18
19

20
21
25



links
pesquisar
 
Tags

11 poemas inéditos de carlos cardoso luí(1)

25 anos app(11)

ada tavares(18)

adriano augusto da costa filho(39)

albertino galvão(11)

albina dias(18)

alfredo martins guedes(2)

ana luísa jesus(4)

ana patacho(3)

anete ferreira(3)

antónio boavida pinheiro(22)

app(5)

armindo fernandes cardoso(3)

bento tiago laneiro(5)

carlos cardoso luís(13)

carlos moreira da silva(2)

carmo vasconcelos(22)

catarina malanho semedo(2)

cecília rodrigues(48)

cláudia borges(8)

dia da mãe(8)

dia da mulher(9)

dia do pai(6)

donzília martins(8)

edite gil(68)

elisa claro vicêncio(4)

euclides cavaco(100)

feliciana maria reis(4)

fernando ramos(20)

fernando reis costa(3)

filipe papança(11)

frances de azevedo(2)

gabriel gonçalves(14)

glória marreiros(20)

graça patrão(6)

helena paz(15)

isabel gouveia(3)

jenny lopes(11)

joão baptista coelho(1)

joão coelho dos santos(7)

joao francisco da silva(4)

joaquim carvalho(3)

joaquim evónio(9)

joaquim sustelo(70)

judite da conceição higino(4)

landa machado(1)

liliana josué(45)

lina céu(5)

luis da mota filipe(7)

manuel carreira rocha(4)

margarida silva(2)

maria amélia carvalho e almeida(6)

maria clotilde moreira(3)

maria emília azevedo(5)

maria emília venda(6)

maria fatima mendonça(2)

maria francília pinheiro(3)

maria ivone vairinho(14)

maria jacinta pereira(3)

maria joão brito de sousa(69)

maria josé fraqueza(5)

maria lourdes rosa alves(4)

maria luisa afonso(4)

maria vitória afonso(8)

mário matta e silva(20)

mavilde lobo costa(22)

milu alves(6)

natal(16)

odete nazário(1)

paulo brito e abreu(6)

pinhal dias(9)

rui pais(8)

santos zoio(2)

sao tome(10)

susana custódio(15)

tito olívio(17)

vanda paz(23)

virginia branco(13)

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO